Foto mostra árvores com texto Créditos de Carbono

Créditos de carbono: um guia para iniciantes

A poluição gerada diariamente por nossas ações pode ser mitigada através de créditos de carbono

O termo “créditos de carbono” surgiu como uma forma de auxiliar no combate as mudanças climáticas e contribuir para mitigar os efeitos negativos das emissões de gases de efeito estufa na atmosfera.

Mas afinal, o que são créditos de carbono? Créditos de carbono são unidades representativas de emissões de gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono, o metano e o óxido nitroso, que podem ser negociadas entre empresas e governos como parte dos esforços para reduzir as emissões globais. Entenda um pouco sobre o tema nesse guia para iniciantes.

Comercialização dos créditos de carbono

A comercialização de créditos de carbono é uma forma de mitigar os efeitos das mudanças climáticas, incentivando as empresas a reduzirem suas emissões e promovendo o crescimento de energias limpas. Conheça as formas de negociar esses créditos.

Mercado Regulamentado

O mercado regulado de crédito de carbono é um sistema que permite às empresas e organizações obterem créditos de carbono ao realizarem ações de mitigação de gases de efeito estufa (GEE).

Os créditos de carbono são negociados em sistemas regulados como o Mechanism for Clean Development (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo – MDL) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), o Sistema Europeu de Comércio de Licenças de Emissão (EU ETS) e o Mercado de Carbono da Califórnia.

Foto mostra vários prédios da cidade de Nova York durante a noite
Todas os setores podem realizar a mitigação de suas emissões de gases de efeito estufa através de créditos de carbono

Este sistema funciona como uma espécie de “mercado” onde a oferta e a demanda determinam o preço dos créditos de carbono. Um crédito de carbono equivale a uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) evitada ou removida da atmosfera.

Empresas e governos precisam desses créditos para cobrir suas emissões, e são punidos se não cumprirem as metas estabelecidas, podendo comprar créditos adicionais se precisarem, ou vendê-los se tiverem uma sobra.

Mercado Voluntário

Além do mercado regulamentado, existe também o mercado voluntário de créditos. Neste mercado, empresas e governos compram créditos de carbono por motivos voluntários, como forma de melhorar sua imagem pública, alcançar metas de sustentabilidade ou mostrar comprometimento com o meio ambiente.

O mercado voluntário de créditos de carbono é uma alternativa aos mercados regulados, como o sistema de comércio de emissões da União Europeia. Esse mercado é composto por projetos que buscam reduzir as emissões de gases de efeito estufa, como projetos de energia renovável, eficiência energética e preservação de florestas.

Foto mostra árvores com suas copas, auxiliando na modalidade créditos de carbono
A modalidade Créditos de Carbono contribui com a preservação de florestas

Os créditos comprados no mercado voluntário são projetos certificados por terceiros, que avaliam a quantidade de emissões evitadas ou reduzidas e emitem os títulos correspondentes.

Comercialização fora da Bolsa de Valores

A comercialização de créditos de carbono fora da bolsa de valores, conhecida como mercado voluntário de créditos de carbono, é uma opção para empresas e investidores que desejam apoiar projetos de redução de emissões e alcançar metas de sustentabilidade. Nesse mercado, as transações ocorrem diretamente entre as partes interessadas, sem a necessidade de uma bolsa centralizada.

Mensuração de créditos de carbono

As formas utilizadas para mensurar créditos de carbono são importantes para ajudar na gestão dos gases de efeito estufa e na tomada de decisões para redução das emissões. Algumas dessas ferramentas incluem:

1. Inventário: este é o primeiro passo para mensurar as emissões de carbono de uma organização. O inventário identifica as fontes e a quantidade de gases liberados para a atmosfera;

2. Modelos de ciclo de vida: este é um método para avaliar as emissões associadas a um produto ou serviço ao longo de todo o seu ciclo de vida, desde a extração de matérias-primas até o descarte;

3. Registros de carbono: registrar as emissões e os créditos associados, permitem que as empresas monitorem e melhorem a gestão dos gases poluentes.

Foto mostra prédios
Empresas devem avaliar emissões para que possam mitigar seus impactos

Mensurar créditos de carbono é essencial para auxiliar empresas e governos, que desejam monitorar suas emissões. Conheça algumas iniciativas que podem ser utilizadas:

1. Transparência: fornecer informações claras e precisas sobre as emissões de carbono, permitindo que as empresas e os governos tomem decisões mais embasadas sobre como reduzir suas emissões;

2. Responsabilidade: incentivar empresas a serem mais responsáveis ​​com suas emissões de carbono e a tomar medidas para reduzi-las;

3. Oportunidades de economia: mensuração mais eficiente das emissões de carbono, que podem ajudar as empresas a identificar oportunidades de economia de energia e, assim, reduzir custos.

Créditos de carbono na prática

Um bom exemplo é quando uma empresa de mineração realiza um inventário para identificar as fontes de emissões de gases de efeito estufa em suas operações. Em seguida, é utilizado um modelo de ciclo de vida para avaliar as emissões associadas a seus produtos, onde elas são anotadas em um registro de carbono. Com base nas informações obtidas, a empresa pode tomar medidas para reduzi-las, investindo em fontes renováveis de energia ou implementando práticas de eficiência energética.

Foto mostra Sede da UNO, órgão que incentiva o uso de créditos de carbono
Em 1997 a ONU criou o Programa de Desenvolvimento de Projetos, visando auxiliar o uso de créditos de carbono

Outro exemplo global é o Programa de Desenvolvimento de Projetos da ONU (UNFCCC, na sigla em inglês), que foi criado em 1997 para incentivar projetos de redução de emissões em países em desenvolvimento. O programa permite que as empresas e países desenvolvidos comprem créditos de carbono de projetos de redução de emissões em países em desenvolvimento, ajudando a financiar a transição para fontes de energia limpa e a mitigação das emissões de gases de efeito estufa.

Maneiras de compensar as emissões no dia a dia

Compensar as emissões é uma forma de neutralizar os impactos negativos que causamos ao meio ambiente. A ideia é equilibrar a quantidade de gases de efeito estufa que liberamos no ar, com a captação através do plantio de árvores, que retiram esses gases da atmosfera, ou outras atividades de mitigação, como os créditos de carbono. Conheça algumas maneiras de diminuir as emissões geradas por diferentes atividades:

Viagens

Muitas organizações oferecem programas de compensação de carbono para viagens aéreas, permitindo que os viajantes compensem as emissões de CO2 associadas aos seus voos por meio de investimentos em projetos de sustentabilidade.

Produções Cinematográficas

Equipes de filmagem estão cada vez mais conscientes do impacto ambiental de suas produções. Para compensar as emissões de gases de efeito estufa geradas durante filmagens, muitas equipes investem em programas de compensação de carbono. Isso pode envolver a quantificação das emissões associadas à produção, transporte e logística da equipe, seguido pelo financiamento de projetos de compensação, como reflorestamento ou energia renovável, para equilibrar essas emissões.

A Espera de Liz‘, mitigou suas emissões através do plantio de árvores. Na foto, da esquerda para a direita, Bruno Torres, Simone Iliescu, Rosanne Mulholland, Ingra Lyberato, Zé Carlos Machado e Sascha Kratzer, integrantes do filme

Além disso, a promoção de práticas sustentáveis no setor, como o uso de equipamentos de baixo consumo de energia, também é uma estratégia adotada por equipes de filmagem conscientes do meio ambiente.

Eficiência Energética em Edificações

Melhorar a eficiência energética em edificações reduz o consumo de energia e, consequentemente, as emissões de gases de efeito estufa. Isolamento adequado, tecnologias de iluminação eficientes e sistemas de climatização sustentáveis são exemplos de práticas para alcançar esse objetivo.

Energias Renováveis

A utilização de fontes de energias renováveis é fator essencial para que possamos reduzir as emissões de CO2 e até gerar créditos

Optar por fontes de energia renovável, como solar e eólica, pode reduzir significativamente as emissões de gases de efeito estufa associadas à geração de eletricidade. Investir em projetos de energia limpa contribui para a transição para uma matriz energética mais sustentável.

Créditos de carbono: prós e contras

Em termos de vantagens, os créditos de carbono podem ser uma forma eficaz de incentivar a redução de emissões de gases de efeito estufa e a transição para fontes de energia limpa. Além disso, eles podem ajudar a equilibrar o custo das emissões entre diferentes setores, permitindo que as empresas e países atinjam seus objetivos de redução de emissões de maneira mais econômica.

No entanto, há também algumas desvantagens associadas a essa forma de mitigação. Uma preocupação é que eles possam ser usados ​​como uma “solução fácil” para empresas e países evitarem a responsabilidade de reduzir suas próprias emissões. Além disso, há preocupações com a transparência e a verificação dos projetos de redução de emissões, que devem ser validados da melhor forma possível, para evitar possíveis inconsistências nos dados apresentados.

Solução Ecooar

Investir em projetos de reflorestamento e conservação de florestas é uma maneira eficaz de compensar emissões de gases de efeito estufa. As árvores absorvem o dióxido de carbono (CO2) da atmosfera durante a fotossíntese, ajudando a equilibrar as emissões.

A Ecooar Biodiversidade é um exemplo de solução de créditos de carbono no mercado voluntário. A plataforma permite, de forma totalmente transparente, que empresas e investidores compensem suas emissões adquirindo créditos de carbono de projetos de conservação da biodiversidade e de maciços florestais, contribuindo com a manutenção de florestas nativas e a proteção de habitats em perigo.

Foto mostra mata nativa e selo verde Ecooar de créditos de carbono
Áreas de mata nativa e florestas são elegíveis para gerar créditos

Através do Selo Ecooar Floresta você pode apoiar projetos de conservação e de mitigação do aquecimento global, ajudando a alcançar objetivos de sustentabilidade, contribuindo com a redução de emissões de gases de efeito estufa.

Leia mais
Selo Verde Ecooar: a melhor solução!

As áreas são mapeadas e certificadas através da análise de documentos, com total transparência, podendo ser visualizada a estimativa de árvores, o CO2 captado e o local da floresta, tudo isso de forma interativa e online.

Entre em contato para saber mais através do e-mail ecooar@ecooar.com ou WhatsApp.

Facebook Comments Box

ecooar

A Ecooar Biodiversidade acredita em um mundo melhor! E por acreditar tanto nisso, nossa equipe atua apaixonadamente para proteger, preservar e recuperar a natureza. Trabalhamos com projetos de reflorestamento que agem na recomposição de Áreas de Preservação Permanente (APP) na Mata Atlântica e demais biomas. A formação de florestas retém CO2 da atmosfera, o que resulta na captura de Gases de Efeito Estufa (GEE) e regeneração do meio ambiente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *