Skip to main content
Foto mostra pássaro Soldadinho sobre um galho

Birdwatching e seus (en)cantos

Birdwatching: conheça um pouco sobre essa prática

Passaredo, música composta em parceria entre Chico Buarque e Francis Hime (1975-1976), apesar de não ter sido criada com viés ecológico, encantou gerações de ouvintes ao citar uma grande quantidade de aves em sua letra. E também poeticamente alertava cada uma delas com trechos como “Toma cuidado / Que o homem vem aí”.

Graças à prática da observação de aves (birding ou birdwatching, em inglês) os pássaros podem cantar à vontade, pois ficam o tempo todo apenas na mira de câmeras, binóculos e de olhares curiosos.

Birdwatching existe faz tempo

Apesar de não ser apenas um observador de aves, foram elas que auxiliaram Charles Darwin, o naturalista inglês, no desenvolvimento da teoria da seleção natural, apresentada na obra ‘A Origem das Espécies’, do ano de 1859, ao observar as aves tentilhões no arquipélago de Galápagos.

Foto de Charles Robert Darwin
Charles Robert Darwin, o renomado naturalista reconhecido por
seus avanços sobre evolução nas ciências biológicas. Fonte: Wikipedia

Já no ano de 1873, foi criada na cidade de Boston, a capital mais populosa do estado americano de Massachusetts, uma das primeiras organizações para o estudo e observação de aves, a Nuttall Ornithological Club (Clube Ornitológico de Nuttall), por alguns ornitólogos, entre eles Henry Henshaw e William Brewster. Inclusive o nome do clube é uma justa homenagem ao botânico e zoólogo Thomas Nuttall que havia publicado o primeiro guia de campo para pássaros da América do Norte em 1832.

Já em 1946, outro americano auxiliou na divulgação desta prática no Brasil: William Belton, na época cônsul norte-americano e grande entusiasta na observação de aves, iniciou a catalogação de maneira informal de espécies no estado do Rio Grande do Sul.

Após aposentar-se ele começou a captar o canto dos pássaros no ano de 1971, com ajuda de um gravador de rolo e um microfone direcional, efetuando mais de 1000 gravações em 30 anos de caminhadas observando aves nas matas brasileiras, que originaram dois livros sobre aves. Quando faleceu em 2009 um pouco de sua vida e obra foi noticiada no The New York Times. Até hoje a Universidade Cornell, nos Estados Unidos, mantém parte de seu acervo.

A prática de birdwatching também pode ser impactada pela migração dos pássaros, como acontece no outono nos Estados Unidos. Quase 5 bilhões de aves deixam o país em direção ao sul e praticamente 1.2 bilhão não regressam, devido a fortes chuvas, predadores e falta de árvores ao chegarem ao seu destino. Leia mais dados aqui.

Essas informações foram conseguidas através de estações meteorológicas espalhadas pelo país e analisadas pelo Laboratório de Ornitologia da Cornell.

A observação de aves hoje

Ao realizar essa atividade, a pessoa começa a entender e a classificar os diferentes tipos de cantos e sons emitidos pelos diversos tipos de pássaros, que podem ser avistados ou não. Inclusive o Brasil é o segundo país do mundo com maior diversidade de aves, sendo que apenas na cidade de São Paulo são encontradas mais de 500 espécies.

Para que você possa observar aves e se encantar com esses momentos, prefira locais abertos dentro das cidades, como em ruas ou praças e mais perto possível de seu habitat natural, como chácaras, sítios, fazendas, bosques, matas nativas, assim como em áreas de reflorestamento.

Imagem mostra convite para evento de birdwatching
Material de divulgação do evento Avestando, que aconteceu na cidade de Garça/SP

Um dos locais mais interessantes para observar aves é o interior do estado de São Paulo, que conta com eventos como o Avestando – Observação de Aves, na cidade de Garça/SP.

Na última edição do evento de birdwatching , que aconteceu no final de outubro, vários observadores de aves, pesquisadores, biólogos e fotógrafos de natureza tiveram a oportunidade de estar em contato com a mata nativa, em meio a natureza, observando as aves. Os locais escolhidos foram o Bosque Municipal “Dr. Belírio Guimarães Brandão”, um fragmento de Mata Atlântica dentro da cidade de Garça e a Estação Ecológica dos Caetetus, localizada nos municípios de Gália e Alvinlândia, uma das únicas unidades do estado que abriga o mico-leão-preto, um dos primatas mais ameaçado de extinção no mundo.

Foto mostra ave pipira-da-taoca durante prática de birdwatching
Durante a caminhada foi registrada a pipira-da-taoca pela primeira vez no município

Foram avistadas mais de 90 espécies de aves, dentre elas o soldadinho (que ilustra a capa deste artigo), chocão-carijó, borralhara, papa-taoca-do-sul, entre outras, além da pipira-da-taoca que foi registrada pela primeira vez durante o evento.

Estiveram presentes, além dos participantes, os palestrantes Diogo Sartori, professor da Unesp de Tupã; Rafael Gustavo Capinzaiki Ottonicar, biólogo formado pela Unesp de Bauru, que realizou estágio em pesquisa no Cornell Lab of Ornithology (Cornell University, Ithaca NY 2016) e também Tietta Pivatto, Bióloga, especialista em Ecologia e Ecoturismo, Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional e guia naturalista.

Confira abaixo alguns depoimentos:

Diogo Sartori em ação

Diogo Sartori

Professor da Unesp

“A atividade da observação de aves não nos leva apenas a ter contato com estes magníficos animais, que podem nos ensinar muito, como também a buscar conhecimento de diversas formas para compreender todas as relações dos seres vivos com seus ambientes naturais. Propícia ainda um contato direto com a natureza, que pode ser transformador tanto para o observador, quanto para a relação homem/natureza”.


Foto mostra Rafael Ottonicar

Rafael Ottonicar

Biólogo formado pela Unesp

“Participar de um evento como este nos edifica socialmente, moralmente e, por que não, emocionalmente. Observar aves é, no mínimo, sensibilizador, e essa é uma das principais ferramentas na luta para a preservação da natureza”.


Foto mostra Tietta Pivatto

Tietta Pivatto

Bióloga, especialista em Ecologia e Ecoturismo, Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional e guia naturalista

“Sempre é muito gratificante levar a observação de aves para diferentes públicos, pois a cada novo praticante, mais uma pessoa que passa a olhar a natureza com um pouco mais de atenção, ciente de que, para observar nossas aves, precisamos que seu ambiente de vida esteja protegido.”


Dicas para observação de aves

Foto mostra pessoas praticando Birdwatching

Para realizar essa atividade com toda a segurança e obter os melhores resultados, seguem algumas dicas:

Use roupas adequadas – que sejam discretas ou camufladas. Não use roupas brancas, elas afugentam os pássaros;

Fique em silêncio – a caminhada deve ser silenciosa, limitando a conversa apenas o essencial. Prefira comunicar-se através gestos ou sinais para indicar o local a ser observado;

Os melhores horários – no amanhecer e no entardecer você conseguirá avistar maior quantidade de aves;

Equipamentos para birdwatching – você pode optar por um binóculo, uma boa máquina fotográfica e um aplicativo de gravação no seu celular para registrar os cantos dos pássaros.

Veja outras dicas no WikiAves.

Reflorestamentos contribuem com o Birdwatching

Os florestamentos e reflorestamentos contribuem para a manutenção e proteção das espécies de aves, oferecendo a elas abrigo e alimento. Isso provoca uma ajuda mútua, pois muitas espécies de árvores necessitam dos pássaros para a dispersão de suas sementes, proporcionando a regeneração do local. Dessa forma a observação de aves pode acontecer normalmente.

Foto mostra área de reflorestamento onde pode ser realizada a prática de birdwatching
Área de reflorestamento auxiliam na proteção das aves com abrigo e alimento

A Ecooar tem como objetivo a restauração ecológica de Áreas de Proteção Permanente (APP) da Mata Atlântica e demais biomas, onde cada árvore plantada retém CO² durante o seu crescimento, auxiliando na captura dos Gases de Efeito Estufa (GEE) e na regeneração do meio ambiente.

Através de uma plataforma inovadora você pode plantar árvores, compartilhar essa ação com colaboradores e até presentear seus amigos. Conheça também como a Ecooar pode compensar as emissões de CO² da sua empresa, seu negócio, seu website ou seu evento através do Selo Verde.


Fotos e texto: Equipe Ecooar
Foto Capa: Diogo Sartori

Facebook Comments

ecooar

A Ecooar Biodiversidade acredita em um mundo melhor! E por acreditar tanto nisso, nossa equipe atua apaixonadamente para proteger, preservar e recuperar a natureza. Trabalhamos com projetos de reflorestamento que agem na recomposição de Áreas de Preservação Permanente (APP) na Mata Atlântica e demais biomas. A formação de florestas retém CO2 da atmosfera, o que resulta na captura de Gases de Efeito Estufa (GEE) e regeneração do meio ambiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »