Foto mostra rua com neve e as palavras aquecimento global

Aquecimento global e a justiça climática: causas e soluções

O aquecimento global é um problema que tem sido amplamente discutido nos últimos anos, mas o que ele realmente significa para a humanidade e por que isso é importante? Em termos simples, o aquecimento global é um fenômeno natural que ocorre quando a temperatura da Terra aumenta gradualmente ao longo do tempo. Mas quando acontece o descontrole desses indicadores, isso pode causar efeitos devastadores em nosso planeta, desde fortes nevascas e inundações até deslizamentos de terra e outros desastres naturais.

Entendendo o aquecimento global

Mas o que causa o aquecimento global? Uma das principais causas é o aumento da emissão de gases de efeito estufa na atmosfera, principalmente dióxido de carbono (CO2), metano e óxido nitroso. Esses gases são liberados quando queimamos combustíveis fósseis como carvão, petróleo e gás natural para gerar energia ou quando desmatamos florestas e outros ecossistemas. Essas atividades têm sido realizadas em grande escala por indústrias, empresas e governos em todo o mundo, e isso tem levado a um aumento significativo nas concentrações desses gases na atmosfera.

Foto mostra árvore com céu cheio de nuvens em forma de ondas, devido ao aquecimento global
O desmatamento e o aumento das emissões de dióxido de carbono na atmosfera influenciam no aquecimento global

Esses gases de efeito estufa atuam como um cobertor que prende o calor na atmosfera, impedindo que ele escape de volta para o espaço. À medida que as concentrações desses gases aumentam, o “cobertor” fica mais espesso, o que faz com que a temperatura da Terra suba. Isso pode levar a mudanças significativas no clima em todo o mundo, incluindo o derretimento das calotas polares, a elevação do nível do mar e um aumento na frequência e intensidade de desastres naturais.

Justiça climática

Esse é um conceito que busca garantir que todas as pessoas, independentemente de sua raça, gênero, etnia ou condição socioeconômica, sejam tratadas de forma equitativa nos esforços para combater as mudanças climáticas. Isso inclui garantir que as comunidades mais afetadas pelo aquecimento global tenham voz nas decisões e que os custos da transição para uma economia de baixo carbono sejam compartilhados de maneira justa.

Clima descontrolado

Um dos efeitos mais visíveis do aquecimento global é o aumento de fortes nevascas em algumas áreas do mundo. Pode parecer estranho, mas o aquecimento global realmente provoca mais neve em algumas regiões, especialmente no inverno. Isso ocorre porque, à medida que a temperatura da Terra sobe, mais umidade é mantida na atmosfera, ocasionando mais precipitação na forma de neve.

Foto mostra carro coberto de neve mostrando efeitos do aquecimento global
Nevascas e frio extremo afetam diretamente o dia a dia das pessoas

Em fevereiro de 2023, nos Estados Unidos, a cidade de São Francisco registrou a temperatura de – 4°C, a mais baixa em 132 anos. Já na região de Los Angeles, aconteceu o primeiro alerta de nevasca desde 1989. Como consequência, mais de 120 mil casas ficaram sem energia elétrica.

Por outro lado, o inverno muito atípico de 2023 chegou a Nova York trazendo altas temperatura e escassez de neve, superando o recorde anterior que aconteceu em 29 de janeiro de 1973.

Foto mostra Times Square em Nova York com pessoas e carros durante a noite
Falta de neve deixou o inverno nova-iorquino bem diferente do tradicional

Além disso, o derretimento das calotas polares pode aumentar a quantidade de água doce na superfície do oceano, o que afeta a circulação das marés, gerando mudanças no clima em todo o mundo.

Foto mostra deslizamento em área de montanha
Deslizamentos de terra, devido as chuvas excessivas, causam muita destruição (Foto: Roosewelt Pinheiro)

No entanto, o aquecimento global também pode levar a seca, inundações e deslizamentos de terra em outras áreas. Isso ocorre porque o aumento das temperaturas causa um derretimento mais rápido da neve e do gelo, o que eleva os níveis de água em rios e lagos. O aumento incomum das chuvas pode causar inundações, afetando a vida de milhares de pessoas que moram em áreas de risco.

Prova do descontrole do clima, neste ano aconteceram os maiores volumes de chuva já registrados em Bertioga, Guarujá e nas cidades do Litoral Norte de São Paulo no fim de semana, chegando a mais de 700 mm em 24 horas, os mais altos já registrados no Brasil.

AÇÕES PARA AS VÍTIMAS DAS ENCHENTES DO LITORAL DE SÃO PAULO:

Instituto Alok: em apoio às vítimas das enchentes no litoral norte de São Paulo e através da parceria com professor e escritor indígena Daniel Munduruku (@danielmundurukuoficial) e o instituto Uka (@institutouka), foram realizadas ações para contribuir com várias famílias da aldeia Guarani Rio Silveira na cidade de Bertioga/SP.

Para quem doar: Com o apoio de uma rede robusta de curadores, são mapeadas iniciativas de impacto de todas as regiões do país, em diversas áreas de atuação.

Ambev: doou mais de 69 mil litros de água AMA, 45 toneladas de alimentos e 14 toneladas de itens de limpeza, por meio de uma parceria com o Instituto Verdescola e a Gerando Falcões.

Já no Rio Grande do Sul, a seca é a maior dos últimos 70 anos. Isso corrobora o mais recente relatório da OMM (Organização Meteorológica Mundial) acerca das condições climáticas na América Latina, a megasseca que afeta a região central do Chile que já dura mais de 13 anos, sendo a mais prolongada registrada nos últimos mil anos. Essa situação coloca o país na liderança da crise hídrica enfrentada pela região.

Foto mostra terra seca e quebrada, provocada pelo aquecimento global
Seca histórica em diversas regiões da América do Sul é prova do aquecimento global (Foto: Pexels | Carolyn)

Leia mais: Ondas de calor e seca extrema atingem América do Sul


Como as comunidades periféricas são afetadas

O aquecimento global é um problema que afeta a todos, mas nem todos são afetados da mesma maneira. Comunidades marginalizadas, muitas vezes localizadas em áreas de baixa renda ou em países em desenvolvimento, são desproporcionalmente afetadas pelos impactos do aquecimento global, apesar de terem contribuído muito pouco para o problema.

Essas comunidades sofrem com eventos climáticos extremos, como inundações, secas e ondas de calor, que podem destruir casas, culturas e recursos naturais vitais para a subsistência. Além disso, muitas vezes têm acesso limitado a recursos financeiros e tecnológicos para lidar com esses problemas.

Foto mostra casa humilde, afetada pelo aquecimento global
Comunidades inteiras podem sentir ainda mais os impactos do efeito estufa onde vivem

A justiça climática exige que as responsabilidades sejam compartilhadas e que as comunidades marginalizadas sejam incluídas nas discussões e soluções. Isso envolve tomar medidas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, ajudar as comunidades a se adaptar aos impactos do aquecimento global e garantir que os direitos dessas comunidades sejam protegidos.

COP: compromissos multilaterais

Outra importante ação realizada pela ONU, são reuniões denominadas COP, a Conferência das Partes (“Conference of the Parties”, em inglês), que acontecem todos os anos entre os países que compõem a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC).

A última edição, COP 27, que aconteceu em 2022 em Sharm el-Sheikh, no Egito, estabeleceu compromissos multilaterais, um avanço histórico para ajudar os países vulneráveis a lidar com as perdas e danos decorrentes das mudanças climáticas, buscando a redução de emissões de carbono, evitando o aquecimento do planeta, em busca de uma maior justiça climática. A COP 28, que ocorrerá em Dubai, terá entre os principais temas, a redução gradual do uso do petróleo e do gás.

Imagem mostra logo da COP28
Logo da COP28, em Dubai

Aquecimento global: ainda há tempo?

As atividades humanas tem contribuído para um aumento da temperatura média do planeta, o que pode ter graves consequências para o meio ambiente e a sobrevivência de muitas espécies.

Felizmente, existem várias soluções para ajudar a combater o aquecimento global. Aqui estão algumas das mais importantes para enfrentar esse problema.

Energias renováveis

Uma das principais causas do aquecimento global é a queima de combustíveis fósseis para gerar energia. A adoção de fontes de energia renovável, como a solar, eólica e hidrelétrica, pode reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa. Além disso, aumentar a eficiência energética de edifícios e veículos pode diminuir significativamente o consumo e, consequentemente, seus impactos na atmosfera.

Foto mostra turbina Aeólica contra o céu
Utilizar fontes renováveis de energia é uma das opções para combater o aquecimento global

Educação Ambiental e políticas públicas

Através da educação, conscientização e implementação de políticas públicas, podemos reduzir o aquecimento global.

Uma abordagem mais abrangente para enfrentar o problema é seguir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Esses objetivos foram estabelecidos para guiar as nações do mundo em direção a um futuro mais sustentável e incluem metas como a erradicação da pobreza, a promoção da igualdade de gênero, a garantia de educação de qualidade para todos, entre outros.

Foto mostra um céu carregado com uma cidade na penumbra
Reduzir as emissões de CO2 pode ajudar na diminuição de eventos climáticos extremos

No contexto do aquecimento global, é importante destacar o ODS 13, que trata sobre ação climática. Essa meta enfatiza a importância de reduzir as emissões de gases de efeito estufa e promover a adaptação aos impactos do clima, incluindo eventos climáticos extremos. Isso envolve ações como a promoção de tecnologias limpas e a transição para uma economia mais verde e sustentável.

Transportes e produtos mais verdes

Investir em transportes sustentáveis, como bicicletas, transporte público eficiente e carros elétricos, pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa e melhorar a qualidade do ar.

Essa transição envolve a adoção de produtos eco friendly (amigos da natureza), além de mudanças nos padrões de consumo e produção. A adoção de técnicas agrícolas sustentáveis, como a agricultura orgânica e o uso de técnicas agroflorestais, pode reduzir as emissões e melhorar a saúde do solo e da biodiversidade.

Isso pode ser alcançado através de políticas públicas que incentivem o desenvolvimento e uso de tecnologias mais limpas, bem como mudanças comportamentais individuais e empresariais. Além dos benefícios ambientais, essa transição pode trazer oportunidades econômicas e sociais, como a criação de empregos verdes e a melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Reflorestamento contra o aquecimento global

Uma das estratégias mais eficazes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e promover a adaptação ao clima é o reflorestamento. As florestas são um importante sumidouro de carbono, o que significa que elas absorvem dióxido de carbono da atmosfera e o armazenam em sua biomassa, liberando o oxigênio. Além disso, as florestas desempenham um papel importante na regulação do clima, por meio da evapotranspiração, que ajuda a manter o equilíbrio de umidade na atmosfera.

Foto mostra toras de árvores cortadas em uma caminhão, o que aumenta o aquecimento global
O desmatamento agressivo tem contribuído para a perda da biodiversidade no mundo todo

No entanto, as florestas em todo o mundo estão sendo destruídas em uma taxa alarmante. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), cerca de 10 milhões de hectares de florestas são perdidos a cada ano. Isso ocorre principalmente devido ao desmatamento para a produção de alimentos e produtos florestais, bem como a expansão urbana e a mineração.

Para combater o desmatamento e promover o reflorestamento, é importante que as nações trabalhem juntas para implementar políticas e práticas sustentáveis. Isso pode criar regulamentações para impedir o desmatamento ilegal e a exploração florestal insustentável, incluindo incentivos para a conservação e restauração de florestas.

Foto mostra área de reflorestamento
Áreas em reflorestamento são imprescindíveis para garantirmos o estoque de carbono, além de serem santuários para a fauna

Sendo assim é fundamental envolver as comunidades locais, empresas e entidades nas iniciativas de reflorestamento. Isso pode incluir o uso de técnicas de agricultura regenerativa, que reduzem a necessidade de fertilizantes químicos e pesticidas, promovendo a saúde do solo e, consequentemente, do planeta. Todos temos um papel importante na proteção e manejo sustentável das florestas.


Quer saber mais sobre como mitigar suas emissões de Gases de Efeito Estufa ou sobre o Selo Verde?
Entre em contato através do e-mail ecooar@ecooar.com ou via WhatsApp.

Facebook Comments Box

ecooar

A Ecooar Biodiversidade acredita em um mundo melhor! E por acreditar tanto nisso, nossa equipe atua apaixonadamente para proteger, preservar e recuperar a natureza. Trabalhamos com projetos de reflorestamento que agem na recomposição de Áreas de Preservação Permanente (APP) na Mata Atlântica e demais biomas. A formação de florestas retém CO2 da atmosfera, o que resulta na captura de Gases de Efeito Estufa (GEE) e regeneração do meio ambiente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *